BAHIA TEM 9° PIOR DESEMPENHO EM QUANTIDADE DE MÉDICOS POR MIL HABITANTES.
12/06/2020 07:19 em POLÍTICA

De acordo com Julio Braga, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb) e conselheiro federal, esse dado reflete o baixo investimento em saúde feito no estado.“Se você olhar o investimento de saúde por estado, a Bahia é um dos que menos investe. Você não vê sobrar oferta de emprego no estado da Bahia. A Bahia não faz concurso público, então não tem gente para trabalhar”, disse.

"O Governo do Estado não faz concurso para médico há mais de dez anos. Essa oferta emergencial é fora do padrão da curva. Como regra, o estado não oferece emprego para médico".

De acordo com o Conselho Federal de Medicina, o Brasil tem 523.528 registros ativos de médicos nos 27 conselhos regionais, sendo que 422 mil estão abaixo dos 60 anos, o que representa 80%.

São esses médicos que estão aptos para atender pacientes infectados pelo coronavírus, desde que não apresentem comorbidades.

Em números absolutos, a Bahia é o sexto estado do país com a maior quantidade de médicos com menos de 60 anos, contando com 19.746 profissionais.

Outro dado apresentado pelo CFM mostra que o Brasil passou a contar com 9.653 novos médicos em 2020, considerando o período de janeiro a maio, sendo que 314 estão inscritos na Bahia.

Por causa da pandemia do coronavírus, o Ministério da Educação lançou uma portaria no mês de abril autorizando a antecipação da colação de grau de alunos das faculdades de medicina.

O governador Rui Costa, em entrevistas recentes, tem falado sobre a dificuldade em montar equipes de profissionais de saúde para atuar na Bahia durante a pandemia, mesmo tendo equipamentos disponíveis.

É o caso, por exemplo, do município de Teixeira de Freitas, no extremo sul da Bahia, como afirmou o governador.

“O município [de Teixeira de Freitas] estava com dificuldade de contratar médicos. E vai, então, para os profissionais que quiserem trabalhar no extremo sul, estão abertas vagas de médico, pessoal de UTI. A ideia é que a gente possa, até sexta-feira (12), no máximo sábado (13), abrir os leitos de UTI”, disse o gestor.

Julio Braga, vice-presidente do Cremeb, reforçou a crítica à falta de investimento em saúde por parte do governo do estado.

“O governo do estado precisa investir em saúde. E isso vai se resolvendo com o tempo. Existe uma questão emergencial agora e há a dificuldade de contratação. Mas se houvesse concurso público já teria mais médicos no estado”, disse.

Julio Braga também falou sobre as condições de trabalho nos hospitais, que é uma das principais reclamações dos médicos apontadas no levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina.

“A gente tem um serviço de fiscalização. Eventualmente recebemos denúncia de falta de equipamentos. Esse é um problema ainda. A falta de segurança para trabalhar nesses locais. É um dos motivos da ausência de atratividade para trazer profissionais para trabalhar em Salvador”, disse.

"A maioria dos contratos oferecidos são para trabalhar em locais com condições, no mínimo, duvidosas".

 

COMENTÁRIOS